Porquê os bancos ULMA em Aránzazu?

Porquê os bancos ULMA em Aránzazu?

No catálogo de mobiliário urbano terá visto um local muito especial:


O Santuário de Aránzazu, um lugar que não deixa ninguém indiferente.

Não admira, génios do calibre de Sainz de Oiza, Oteiza, Chillida, Basterretxea, e Lucio Muñoz participaram no projecto do mosteiro.

Mas quando nós na ULMA dizemos "santuário" também pensamos no seu ambiente. Os picos da montanha silhados contra o céu azul, o vento acariciando as rochas e o manto verde aos pés dos caminhantes.

Como não se apaixonar por Aránzazu?

Ao contrário das paisagens que se desgastam facilmente, ou aquelas onde a vegetação mal lhe permite ver a cor do solo, as montanhas de Aránzazu são contagiosas na sua solidez, lembram-lhe o que permanece inalterável apesar da passagem do tempo, do sol, do frio, do vento e da água.

Quando tivemos os protótipos da colecção, vimos que as suas linhas, o seu material, as suas cores e a sua presença transmitiam (salvando as distâncias) a mesma coisa que sentimos no santuário natural de Aránzazu.

A nossa casa.

Foi por isso que decidimos que o catálogo seria apresentado neste cenário muito especial, 
pelo menos para aqueles de nós que trabalham na ULMA que estão apaixonados pela terra.

Bem, se ainda não viu o catálogo de mobiliário urbano, talvez agora seja a altura certa.

E se estiver a trabalhar num projecto e achar que pode usar bancos, luminárias,  e jardineiras com um design que transmita nobreza, permanência e solidez, não hesite em entrar em contacto clicando aqui.